quarta-feira, 23 de outubro de 2013

flanboyent




meu flanboyent sereno
quantas inúmeras cimitarras estourando sementes...
e quantas batalhas travaria
à sua sombra, para dar inveja a gregos

cimitarras como vírgulas
para respirar entre os golpes da vida
a tocar as mãos desprotegidas
com o intenso da realidade

minha guerra, meu eterno conflito
e minha árvore, que não sabe que creci,
com suas vírgulas esperando meu punho
árvore minha que apaga meu nome
em seu tronco

te acaricio nessa ventania
nesse tempo que passa
não te soltam minhas raízes
desde que te conheci














Nenhum comentário: